Share it

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Condenado pela mídia



Há um mês circula na internet um vídeo que traz a jornalista da TV Bandeirantes, Mirella Cunha, humilhando e expondo ao riso um jovem preso por roubo (veja o vídeo abaixo).
 Apenas após alcançar um número significativo de visualizações foi que o vídeo passou a ser considerado como aquilo que de fato é: uma ofensa aos direitos individuais, previstos na Constituição, de preservação da honra e da dignidade de qualquer pessoa em território brasileiro.

O caso possui relevância porque expõe os métodos adotados por certo jornalismo sensacionalista que se vale da exploração do drama humano com a finalidade de obtenção de audiência. É sancionado pela nova modalidade de humor, elevado ao estágio de arte, de escroques como Rafinha Bastos e Danilo Gentilli que se projetaram com o deboche e a diminuição de terceiros.

A diferença entre eles e a jornalista é que esta desceu alguns degraus a mais do despautério e transformou em motivo de riso, a ignorância, o medo e a impotência de um detento provisório contra quem nem queixa crime havia ainda sido formalizada. Apoiada na diferença econômica e social que a separava do interlocutor, a jornalista sentiu-se a vontade para fazer do que seria uma simples entrevista diversão para ela mesma e sua equipe.

Como se estivéssemos num País sem leis e sem direitos, num retorno aos tempos da escravidão, o vídeo foi levado ao ar pela emissora, sendo objeto de nota de desculpas apenas quando intervieram o Ministério Público Federal e a Ordem dos Advogados do Brasil.

Embora a jornalista tenha sido demitida, segundo nota da empresa, ficou o registro de quanto se faz urgente o estabelecimento de critérios que regulem o modo pelo qual os meios de comunicação dão sua contribuição à formação de consensos e ao estabelecimento de valores para a construção da sociedade pluralista que pretendemos para nosso País.


8 comentários:

  1. A repórter agiu como um promotor de justiça diante de um réu no tribunal. Esse é o modo Veja de fazer jornalismo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. essa mulher nasceu sem sensibilidade, não a considero como nada...
    nem como uma pedra, uma madeirinha, meus gatinhos, todos são mais sensíveis que ela!
    ela e seus comparsas de programa são por demais asquerosxs!!

    ResponderExcluir
  4. quem defende este elemento leve ele para casa para estuprar suas familias. ja esta na hora da pena de morte no brasil!

    ResponderExcluir
  5. quando os bandidos esculacham o cidadão 'e normal. mas quando são esculachados veem esses hipocritas tomar as dores destes desqualificados ;são os malditos defensores dos direitos humanos

    ResponderExcluir
  6. Não quero defender e nem apoiar a Mirella!!! Mas, uma pergunta: E a vitima, não quero saber se foi assaltada ou estuprada... Apneas sei que ela sofreu um abuso! Foi humilhada em ver seus pertences sendo reirado a por um bandido e nada pode fazer!!! Sua privacidade foi invadida e ela ficou ipotente!!! E seus direitos humanos? Foram respeitados? Foram garantidos?

    Poisé, parem de hipocrisia... parem de querer transformar um bandido em pobre coitado e humilhado!!! Pode até não ter abusado sexualmente da garota... mas continua sendo um bandido que daqui a pouco tempo vai estar nas ruas fazendo a mesma coisa!!!No Brasil cansamos de ver isso acontecer !!!

    ResponderExcluir
  7. essa tal de ana quaiato deve ser uma mal amada;nunca teve um orgasmo e não tendo o que fazer fica criticando o trabalho desta reporter e protegendo bandidos que deveriam estar mortos e no inferno!!!!!!!!!

    ResponderExcluir