Share it

sábado, 14 de abril de 2012

Veja: a revista bandida

Que legitimidade tem a revista Veja para afirmar, em sua última edição, que a investigação do crime organizado por parte de uma CPI constitucionalmente formada possui a finalidade instrumental de encobrir um escândalo político, no caso o chamado "mensalão"?

Absolutamente nenhuma. Pelo simples fato de que Veja é alvo das investigações que agora tomam curso para esclarecer o porquê de Cachoeira e seu bando desfrutarem de tamanha proteção junto a setores da mídia, em particular junto ao  periódico da editora Abril.

E já se sabe que Veja colaborou com o gangster Carlinhos Cachoeira em crimes de chantagem e extorsão contra autoridades públicas a fim de atrair para suas páginas anúncios de empresas fornecedoras do governo federal e remunerar-se, por serviços prestados à oposição, com farta publicidade e benesses das gestões estaduais comandados pelo PSDB.

Como o demonstra a compra em São Paulo de milhões de exemplares da revista para a rede estadual de ensino sem concorrência pública e agora a cessão gratuita de espaços para sua editora na grade da emissora estatal Rádio e Televisão Cultura.

Com Carlinhos Cachoeira e seus agentes incrustados na máquina pública, Veja estimulava e depois divulgava as ações de suborno, que serviam para conseguir vantagens creditícias em bancos públicos e negócios com autoridades da esfera estadual, sem falar nos milhares de exemplares vendidos de suas revistas com o que era apresentado como furo jornalístico.

As fontes de Veja eram homens a serviço do crime organizado. Gravações autorizadas pela justiça mostram o próprio capo Cachoeira afirmar que todas as matérias de repercussão do semanário foram patrocinadas por sua quadrilha.

Compreende-se que Veja se valha agora do último recurso que tem à disposição para descaracterizar a forte suspeita que paira sobre a finalidade e a natureza do jornalismo que realiza: afirmar que a própria ação pública saneadora das instituições possui propósitos escusos e desviantes.

Para a revista seria admissível que a infiltração do crime organizado se aprofundasse desde que não fossem tocadas as fontes ilegítimas de suas manchetes pré-fabricadas. Isso porque era ela própria a arma mais eficaz de que dispunham os corruptores para atemorizar funcionários corrompidos e amolecer parlamentares e o judiciário para que dessem forma a uma normatividade que favorecesse as ilicitudes da organização.

Não bastou `a Veja bajular Dilma para impedir que as ações da polícia federal viessem a público. Como não terá efeito a versão que agora busca dar circulação entre aliados na mídia que Dilma é contrária à radicalização da CPI. Entenda-se como radical a convocação do chantagista Roberto Civitta para depôr coercetivamente sobre os meios de que se valia para manter viável seu negócio.

Agora o pasquim da imprensa marrom, que levantava a bola para que outros de cara mais limpa na mídia pudessem forjar consensos condenatórios em torno de pessoas e autoridades, naquilo que passará à história como indústria da difamação, sentará onde deveria ter chegado há muito mais tempo: o banco dos réus.  

                    


8 comentários:

  1. Estou tentando extrair a essência do artigo da Veja, para deixar claro o tamanho do absurdo que foi publicado.

    Atenção: o texto abaixo não é uma paródia -- todas as palavras foram retiradas do artigo original da Veja:

    ---

    Josef Stalin, o ditador soviético ídolo de muitos petistas, considerava as ideias mais perigosas do que as armas e, por isso, suprimiu-as, matando quem teimava em manifestá-las. Basta uma contrariedade maior para que o espírito de papai Stalin baixe e rasgue a fantasia democrática dos petistas parcialmente convertidos ao convívio civilizado.

    Como formigas guiadas por feromônios, os militantes de todos os escalões, de ministros de estado aos mais deploráveis capangas pagos com dinheiro público na internet, vão, seguindo a cartilha stalinista, fazer valer as versões sobre os fatos.

    Esse truque funcionou na União Soviética, funcionou na Alemanha nazista, funcionou na Itália fascista de Mussolini, por que não funcionaria no Brasil?

    Bem, ao contrário dos laboratórios sociais totalitários tão admirados por petistas, o Brasil é uma democracia, tem uma imprensa livre e vigilante, um Congresso eleito pelo voto popular e um Judiciário que, apesar de fortemente criticado recentemente, tem demonstrado independência e vigor doutrinário.

    Isso significa que para o delírio se materializar é preciso neutralizar as instâncias democráticas, calando-as ou garantindo que a estridência radical petista supere as vozes da razão e do bom-senso.

    A CPI é o melhor instrumento que a falconaria petista poderia dispor -- pelo menos antes de conseguirem suprimir logo a imprensa livre, o Judiciário independente e o Parlamento, fósseis de um sistema burguês de dominação que está passando da hora de ser superado pelo lulopetismo.

    Mas, enquanto o triunfo final não vem, os falcões petistas vão se contentar em usar a CPI para desmoralizar todos os personagens e forças que ousem se colocar no caminho da marcha arrasadora da história.

    Lula e os falcões petistas querem emascular a imprensa independente no Brasil.

    Surge agora uma oportunidade tão eficiente quanto a censura, com a vantagem de se obter a servidão acrítica da imprensa sem recorrer a nenhum mecanismo legal que possa vir a ser identificado com a supressão da liberdade de expressão.

    Papai Stalin ficaria orgulhoso dos pupilos.

    Motivo mesmo para uma CPI seria investigar os milionários repasses de dinheiro público que o governo e suas estatais fazem a notórios achacadores, chantagistas e manipuladores profissionais na internet. Fica a sugestão.

    Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/eles-querem-apagar-o-mensalao

    ---

    Esta é a base. A partir daí, podemos retirar a essência:

    "A CPI [do Cachoeira] é o melhor instrumento que a falconaria petista poderia dispor para suprimir a imprensa livre, o Judiciário independente e o Parlamento. Motivo mesmo para uma CPI seria investigar os achacadores, chantagistas e manipuladores profissionais na internet. Fica a sugestão."

    Aí está! A essência da manipulação jornalística, em seu estado mais puro!

    ResponderExcluir
  2. Amigo, com provas deixadas pelo própro pasquim você foi capaz de apresentar a falta de escrupulos dos que se dizem porta-vozes da informação. Que sua demosntração sirva para dar-se partida ao começo do fim dessa falsa idéia de imprensa independente no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Capitão Óbvio está coberto de razão.

      Todos os golpes de estado da história brasileira foram desferidos por petistas.

      Depois passo no caixa para receber o pagamento por minha ínfima participação na internet em defesa da liberdade e dos bons costumes de nossa gloriosa, imparcial e independente mídia, ora ameaçada de inundação por uma cachoeira de sem-vergonhices que começam a vir à luz.

      Excluir
  3. Hoje tem twitaço às 20h com hashtag #VejaBandida.

    Aqui vai uma lista de anunciantes da #VejaBandida (edição 2263, do Santo Sudário), para ser usada durante o twitaço - por favor, ajude a divulgar!

    A Hyundai patrocinou a #VejaBandida com 5 páginas de anúncio.
    A Cacau Show patrocinou a #VejaBandida com 4 páginas de anúncio.
    A Renault patrocinou a #VejaBandida com 3 páginas de anúncio.
    O Bradesco patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Mizuno patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Mercedes-Benz patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Fiat patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio do Grand Siena.
    A Nivea patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A KIA patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Credicard patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Nextel patrocinou a #VejaBandida com 1 páginas de anúncio.
    A Toyota patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Vivo patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Rexona patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Peugeot patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Microsoft patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio do Office.
    A Dumond patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Chevrolet patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio do S10.
    A Citroën patrocinou a #VejaBandida com 1/2 página de anúncio.
    A Localiza patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    O PontoFrio patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Jeep Grand Cherokee patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Nokia patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio do Lumia.
    A Claro patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A HP patrocinou a #VejaBandida com 1 páginas de anúncio.
    A Sky patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio do HDTV.
    A Tim patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Net patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio da Net HD.
    A Catho Online patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Volvo patrocinou a #VejaBandida com 2 páginas de anúncio.
    A Oi patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Abreu/Soft Travel/Canadá Turismo patrocinoum a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Lipomax patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.
    A Vivara patrocinou a #VejaBandida com 1 página de anúncio.

    Fonte: http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx?edicao=2263&pg=1

    ResponderExcluir
  4. Não esqueça de citar a "vejinha" e os produtos,serviços e empresas
    lá anunciam.
    É barba e cabelo, lama e barro, veja e vejinha!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, mais uma vez, pelo ótimo texto!

    ResponderExcluir