Share it

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Governador tucano nas asas da contravenção




Revelações quentíssimas vindas dos diálogos travados entre o contraventor Carlinhos Cachoeira e seu principal assessor, o ex- vereador Wladimir Garcez, mostram que o bicheiro e o governador tucano de Goiás Marconi Perillo são sócios de um jato Cessna no valor de 5 milhões de dólares.

A aeronave era usada alternadamente por familiares do governador e integrantes da quadrilha liderada por Cachoeira, principalmente na rota Goiânia – Brasília, eixo do qual se irradiava para o restante do País as práticas de chantagem contra fornecedores do governo Federal e funcionários públicos, ligando numa ponta o gabinete do governador e na outra o gabinete do “impoluto” senador  Demóstenes Torres.

Conversas gravadas também entre o gangster Cachoeira e sua mulher permitem inferir que o uso da aeronave era de quem chegasse primeiro ao hangar. Segundo as gravações, Cachoeira diz para mulher quando consultado sobre a disponibilidade do avião: “é só chegar lá e pegar”.

As informações são esclarecedoras do tipo de relação que mantinha unidos o criminoso e o governador. Evidente que o governador não pôs dinheiro na compra do avião. Trata-se de uma sociedade pró-forma em que a contribuição do governador deu-se em espécie na forma de favorecimento em contratações e nomeações de membros da quadrilha com dinheiro do tesouro.

Não tardará a ser descoberto que da mesma forma que governador e Cachoeira partilhavam a propriedade de um avião – no que concerne ao governador, em nome de laranjas – dispunham também de fazendas e imóveis fora do País. A iminente quebra de sigilo do “gordinho”, codinome do politicamente agonizante Demóstenes, mostrará também sociedades cruzadas de patrimônio entre representantes do bicheiro e do senador.

Bem-vindos ao festival de revelações do condomínio tucano-democrata-contraventor.


Um comentário:

  1. Ola, parece que houve um mal entendido. Nas gravacoes o Cachoeira reclama do governador estar se aproximando de um outro empresario, um ex-socio da churrascaria porcao de Brasilia. De qualquer forma, parece que o ex-socio do porcao, tambem nao seria uma sociedade republicana e independente de quem seja a sociedade isto, de fato, deve ser explicado.

    ResponderExcluir